Transparência no gasto do dinheiro público – uma decisão correta!

E aqui estamos nós do Giga Mundo, mais uma vez cumprindo nosso papel de fomentador de discussões a respeito de problemas e cenários vividos por nós, no Brasil. E desta vez, para dar uma salva de palmas aos que apoiaram e criaram a nova lei de transparência no gasto do dinheiro público: se o dinheiro é público, nada mais justo que o povo saber exatamente como o seu dinheiro está sendo gasto!

Aos que não sabem, deputados de nosso país podem ser ressarcidos, mensalmente, acerca de gastos de até R$ 15.000,00 se justificado o uso do dinheiro (uso na divulgação do mandato e de suas ações, uso em alimentação, moradia, combustível, por exemplo). A novidade é que, agora, a apresentação das notas fiscais é obrigatória!

Desta forma, enquanto muitos políticos diziam, no passado, estar a empregar todos os R$ 15.000,00 mensalmente em benefícios de sua campanha e de sua atuação política, neste mês de abril, até então, somente 81 deles pediram até agora o reembolso da verba indenizatória do gasto do dinheiro público!

Graças a tal atitude, a população pode começar a respirar em paz, sabendo que as devidas autoridades estão a cumprir o seu papel, que é de vigiar e supervisionar.

Merece então destaque o fato de que os deputados que menos gastaram e requereram reembolso de tal quantia foram Antonio Carlos Chamariz, do PTB-AL, e Beto Mansur, do PP-SP.

Em contrapartida, gostaria de criticar deputados como Marcelo Serafim, do PSB-AM, Nelson Bornier, do PMDB-RJ, João Tenório, do DEM-TO, e Severiano Alves, do PDT-BA. Vocês foram os campeões, em se tratando de mau uso do dinheiro público, pois não acredito que é justificável o uso de mais de dez mil reais, mensalmente, em divulgação de atividades de mandato.

Acredito que o próximo passo agora que o Brasil pode tomar rumo à transparência de gastos e moralização do governo perante os eleitores é quanto à redução dos inúmeros auxílios e benefícios que os políticos recebem: para alguém que já recebe como salário cerca de R$ 14.000,00, em um país onde muitos precisam “se virar” para ganhar um salário mínimo, chega a ser ridículo e anti-ético ainda receber auxílio alimentação, auxílio moradia, auxílio combustível e tantos outros auxílios que o brasileiro geralmente não possui acesso e deve arcar totalmente com dinheiro de seu bolso!

Enquanto isso, tudo o que podemos fazer é irmos cantando o refrão daquela música, “Que país é esse?”… Ou será que estamos finalmente começando a ser respeitados e o eleitor tornou-se mais consciente? Bem, isso só o tempo dirá.

Você pode ler a notícia original que me levou a escrever este artigo aqui:

Só 81 deputados pedem reembolso da verba indenizatória após regra de transparência de gasto

Quer receber dicas sobre como ganhar dinheiro em seu e-mail e "de quebra" baixar o e-book "Manual do Investidor"?

E-mail:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *